Entrada > Um de Nós 2019 > Um de Nós | Ana Oliveira

Um de Nós | Ana Oliveira

ISCAP

Natural de Gondomar, Ana Oliveira é estudante no ISCAP, escola de Ciências Empresariais do Politécnico do Porto


Sonhou com o curso Biologia Genética mas, por forças do acaso acabou no curso de Ciências e Tecnologia da Documentação e Informação e hoje pensa num futuro na área criminal.

PORQUE ESCOLHESTE O ISCAP?
Escolhi vários cursos no ISCAP e, claro, ajuda o facto de ser perto de casa...

QUAIS AS ATIVIDADES A QUE TE DEDICAS ALÉM DOS ESTUDOS?
Sou vogal em Política Educativa na Associação de Estudantes do ISCAP.

COMO RECORDAS OS PRIMEIROS DIAS NA ESCOLA?
Foram estranhos, porque era tudo muito novo, muito diferente. Fui muito bem acolhida, mas a transição do ensino secundário para o superior foi um choque.

UMA IDEIA OU CONSELHO PARA QUEM VAI AGORA CHEGAR À TUA ESCOLA.
Vir de espírito muito aberto. Eu não estava e hoje reconheço isso.

PARA TI, QUAL O LUGAR MAIS ESPECIAL DESTA ESCOLA?
Isto vai parecer estranho mas escolho as escadas de emergência. Quando saio de um exame ou sinto-me mais nervosa tenho este hábito: sento-me nas escadas de emergência, fico a olhar para o lago e fico imediatamente calma. Tranquila.

CONTA-NOS UM EPISÓDIO MARCANTE?
A tomada de posse da Associação de Estudantes. Senti que ali começou um projeto novo, para mim e para a própria escola.

O QUE TORNA A TUA ESCOLA ÚNICA?
Está sempre alguma coisa a acontecer! É uma escola muito dinâmica e que nos inspira a ser pró-ativos.

COMO TE VÊS DAQUI A 20 ANOS?
Vejo-me a trabalhar como gestora de base de dados. Na Google por exemplo, ou na área criminal.  Já li muitas teses sobre isso e o assunto apaixona-me.

 

 A rubrica  Um de Nós representa um espaço de partilha de experiências, ideias, histórias, e projetos, com uma breve entrevista a estudantes, docentes e não-docentes. É nossa convicção que cada Escola guarda — nos seus bastidores, salas, corredores e gabinetes — muitos rostos e talentos.  Queremos ser a voz de cada um de nós porque as grandes histórias por vezes estão mais próximas do que imaginamos

Autor

CCIC | P.PORTO

Partilhar