Entrada > Notícias > Uma Semana sem Idades no P.PORTO

Uma Semana sem Idades no P.PORTO

Presidência

A primeira edição do Programa QUALidade chegou ao fim, numa semana que juntou estudantes do Politécnico do Porto e a população sénior do município de Felgueiras


Jacinto Bouça, de 82 anos, foi padre e professor de biologia, história e teologia. Andou muitos anos por Moçambique e durante a semana da QUALidade, o programa de voluntariado do Politécnico do Porto, teve a oportunidade de ver no Google Earth fotografias da escola de Maputo, onde lecionou durante uma vida. "Reconheci perfeitamente alguns lugares e isso reavivou-me a memória. E algumas anedotas!" - declara com um sorriso comovido.

Para Jacinto, que respondeu ao desafio, esta foi uma semana diferente, marcada pela convivência e partilha com a juventude, sobretudo "pela paciência e delicadeza destes jovens. Não é fácil lidar com velhotes!" - afirma. Os voluntários discordam, entre risos.

No final da semana já havia mais lágrimas que risos. Lágrimas por ter de abandonar um espaço de afetos, de partilha e de novas amizades. Os estudantes-voluntários do Politécnico do Porto destacam um sentimento comum: "aprendemos muito". E no final escreveram mesmo uma canção sobre essa "vontade de aprender e de crescer".

"Cresci muito durante estes dias" - descreveu Luís Maia, da Escola Superior de Educação (ESE), do P.PORTO. "Foi um processo de aprendizagem mútuo. Aprendi muitas histórias sobre a cidade, jogamos boccia, tivemos até uma aula de botânica com o Sr. Jacinto".

A missão do programa QUALidade é proporcionar uma semana diferente aos intervenientes, uma semana de partilha recíproca de experiências, de saberes e tradições, promovendo a solidariedade intergeracional, ao mesmo tempo que combate o isolamento e o abandono da população sénior mais vulnerável no concelho de Felgueiras. Para a Presidência do Politécnico do Porto esta e outras iniciativas de Responsabilidade Social são apostas cruciais do ponto de visto formativo, ao dotar os estudantes de competências transversais e diferenciadoras cada vez mais valorizadas no mercado de trabalho, mas também um compromisso ético com a comunidade.

Não há maior recompensa que uma experiência transformadora e Sandra Maia, estudante do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP), escola de engenharia do P.Porto, bem pode afirmar isso: "Sou uma pessoa geralmente fechada, talvez  por estar mais habituada a lidar com máquinas do que com pessoas" - declara entre risos. A futura engenheira entregou-se a este programa munida de afetos e com muitas lágrimas à mistura: "Nunca imaginei que iria ser assim!"

Para Rosa Maria Rocha, Pró-presidente do Politécnico do Porto com o pelouro da Responsabilidade Social, esta é de facto uma experiência transformadora. "Foi muito gratificante: não só estamos a fazer bem a outros, mas bem a nós próprios. É uma interação profícua: dá-se mas recebe-se".

"O projeto designa-se QUALidade  - Qual-idade - porque não há idade para ser feliz, nem idade para viver com qualidade", - declara como premissa da ação realizada pela primeira vez no município. Para a mentora do projeto não há como não destacar o trabalho e dedicação dos voluntários e assevera que para o ano há mais. Também a Vereadora para a Ação Social da Câmara Municipal de Felgueiras, Rosa Pinto, destaca a vontade de prosseguir com 0 programa: "A parceria entre o Politécnico do Porto e a Câmara Municipal de Felgueiras só veio demonstrar a eficácia desta união de esforços. Por um lado, os jovens levam daqui uma experiência única e enriquecedora, por outro, a promoção de um envelhecimento ativo é uma preocupação da nossa autarquia. Sem dúvida que esta iniciativa fará parte do nosso plano de atividades."

Manuel Teixeira, 83 anos, sorriso persistente mas uma história dura narrada no rosto vincado e nas mãos endurecidas pela terra. Nascido em Amarante, passou por Telões, Lixa e Borba (de Godim), nunca andou muito longe, não aprendeu a ler e escrever, mas durante a semana escreveu o nome pela primeira vez num computador. "Julguei que nunca passaria por isto! Joguei, cantei, ri-me!"

Perdeu a mulher há quatro anos e hoje afirma: "Já não penso na vida, nem nas paixões, agora só penso na alegria. A minha vida é isto. Ser feliz."

Aprendemos todos com o sr. Manuel.

Autor

CCIC | P.PORTO

Partilhar