Entrada > Notícias > Projeto do ISEP reduz o consumo de energia em casa

Projeto do ISEP reduz o consumo de energia em casa

ISEP

Equipa de investigação do ISEP integra projeto internacional que pretende consciencializar as pessoas a poupar nos consumos domésticos


São pequenas mudanças no quotidiano que podem ajudar a diminuir o consumo de energia em casa. Sob esta premissa, 30 investigadores internacionais e uma equipa do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP), escola de Engenharia do Politécnico do Porto, desenvolveram uma aplicação com o objetivo de ensinar às pessoas a poupar e reduzir o consumo de energia das habitações, através de atividades lúdicas, dicas e sugestões, que são apresentadas em formato de missões de um jogo.

A aplicação designada Energy Cat “avalia o impacto que um jogo pode ter na alteração de comportamentos quotidianos” - declara Luís Miguel Pinho, Pró Presidente do Politécnico do Porto e responsável pela equipa do CISTER (Centro de Investigação em Sistemas Computacionais Embebidos e de Tempo-Real) do ISEP.

O Energy Cat utiliza uma plataforma de comunicação que permite a ligação ao consumo real das casas, garantindo um acompanhamento de 24 horas, com todas as reduções de energia ao nível do consumo a serem traduzidas em pontos, que aumentam a exigência do jogo.

A missão do “gato” é aferir pequenas rotinas e consciencializar para hábitos prejudiciais ao consumo de energia. Tomar banho mais rápido ou desligar uma máquina que foi acionada durante o período de faturação mais caro são alguns dos exemplos citados pelo investigador.

O projeto foi testado em cerca de 90 casas no Reino Unido, tendo-se verificado um redução média no consumo energético em mais de 5%.

A aplicação EnergyCat está disponível, gratuitamente, em português, inglês, francês e castelhano. Liderado pela Universitat Politecnica de Catalanuya (Espanha), o desenvolvimento do jogo contou com a participação de investigadores e programadores do CISTER/ISEP, da Universidade de Plymouth, da DCH Group e da EDF Energy (Reino Unido), da Fremen Corp (França) e da ADVANTIC (Espanha). 

Autor

CCIC | P.PORTO

Partilhar