Entrada > Notícias > CEI representa a RNEC no júri do Prémio Internacional em Estudos Culturais

CEI representa a RNEC no júri do Prémio Internacional em Estudos Culturais

ISCAP

Em 2022, o Prémio Virgínia Quaresma recebeu um total de 39 candidaturas, de 20 instituições de Portugal, EUA, Argentina, Colômbia e Brasil


O Prémio Internacional em Estudos Culturais Virgínia Quaresma é promovido pela Universidade de Aveiro, com o apoio da Rede Internacional em Estudos Culturais (RIEC) e da Rede Nacional em Estudos Culturais (RNEC), com o patrocínio da Direção Regional de Cultura do Centro.

Na edição de 2022, o Centro de Estudos Interculturais (CEI) do Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto (ISCAP) foi escolhido para representar a RNEC no júri deste prémio, através da sua investigadora Clara Sarmento. Nesta edição do Prémio Internacional em Estudos Culturais Virgínia Quaresma, o Prémio Carreira foi outorgado à filósofa e feminista belga Luce Irigaray.

O Prémio Melhor Tese de Doutoramento em Estudos Culturais foi atribuído a Sofia Pinto, pela tese Urban Failures & Other Imaginations: Walking, Writing, and Transgressing the Gendered City, do doutoramento em Estudos de Cultura da Universidade Católica Portuguesa. A tese de Sofia Pinto articula a street art, o graffiti e as práticas ou performances de intervenção e resistência em superfícies urbanas com uma análise disruptiva de padrões normativos no espaço público, seguindo uma perspetiva política, interdisciplinar, intercultural, feminista e queer, que discute as questões de poder, as políticas do fazer, da representatividade, da performatividade e da narração.

Para o júri desta segunda edição do prémio, além da originalidade do estudo e da sustentação teórica sólida, a tese segue um caminho metodologicamente criativo, realizando uma investigação etnográfica, entrevistas, imersão no território real e virtual, observação participativa, a par de uma criteriosa análise de texto e imagem, que questiona e impacta a realidade contemporânea, tanto em Portugal como no Brasil.

O Prémio Virgínia Quaresma atribuiu ainda duas menções honrosas: a Nicola José Frattari Neto, pela tese A Classe Trabalhadora e Seus Lugares: modos de vida dos de baixo nas terras às margens do Tijuco, Minas Gerais (1850-1950), na Universidade Estadual de Campinas, e a Mara Pieri, pela tese Chroniqueers: time, care and visibility in narratives from queer people with a chronic illness, na Universidade de Coimbra.

Autor

GCI | P.PORTO

Partilhar