Entrada > Notícias > PETRHA: Um jogo sério para treinar estudantes europeus de fisioterapia

PETRHA: Um jogo sério para treinar estudantes europeus de fisioterapia

ESS

A edição de estreia da European Petrha Cup, projeto europeu do qual o P.PORTO é parceiro, receberá cerca de 50 participantes.


A European Petrha Cup destina-se a estudantes e formadores em fisioterapia e terá lugar, de 13 a 15 de outubro, no Instituto Regional de Saúde e Formação Social em Bordéus. O objetivo é introduzir uma ferramenta pedagógica inovadora na formação em saúde: o serious game PETRHA (Re-Habilitation E-Training Fisioterapia). Organizada pela primeira vez, a European Petrha Cup receberá em 2017 cerca de 50 participantes e pretende tornar-se um evento regular para reunir, todos os anos, estudantes de vários países em torno da inovação na área da saúde.

Desenvolvido para responder a verdadeiros problemas de saúde europeus, este "jogo sério" permitirá que estudantes e futuros profissionais em fisioterapia treinem intensamente através de simulação em suporte digital, desenvolvendo o raciocínio clínico através da realização de casos clínicos de fisioterapia e a criação de uma linguagem universal entre os fisioterapeutas dos diferentes países.

O projeto PETRHA foi lançado há dois anos, graças a uma parceria estratégica Erasmus+ liderada pelo Instituto Regional de Saúde e Formação Social da Cruz Vermelha de Aquitânia. O projeto inclui a participação de quatro parceiros europeus: Município de Bègles, Politécnico do Porto, Universidade de Navarra — todos membros da Rede Europeia de Fisioterapeutas (ENPHE) —, bem como a SimforHealth, especialista em simulação digital.

Na sua primeira etapa de implementação, o projeto consistiu no desenvolvimento de um jogo sério destinado aos estudantes de fisioterapia, cujo trabalho é centrado principalmente no público idoso. Os membros fundadores do PETRHA também criaram um MOOC para universidades e profissionais da área que gostassem de incluir o jogo na sua oferta formativa, criar novos casos clínicos ou desenvolver módulos complementares voltados para outras populações ou especialidades.

Autor

miguel.carvalho@sc.ipp.pt

Partilhar