Entrada > Notícias > Matemáticos há muitos!

Matemáticos há muitos!

ESTG

Artigo de opinião de Aldina Correia, coordenadora do Mestrado em Métodos de Apoio à Decisão Empresarial da ESTG, escola de Tecnologia e Gestão do P.PORTO


“Para que serve a Matemática?” É uma pergunta usual dos estudantes. O percurso académico de um professor de Matemática, nem sempre lhe permite responder a esta questão. E mais graduações dão conhecimento, mas não habilitam para a aplicação.

O lugar usual do matemático em Portugal é o de académico, a explorar axiomas e teoremas, que ensina aos estudantes, e publicar em jornais indexados, tal como qualquer professor do ensino superior. Quando o matemático se decide a aplicar os conhecimentos adquiridos, respondendo a questões da indústria procurando melhorar os mais diversos processos industriais, diz-se que é matemático industrial.

Um método internacionalmente reconhecido de transferência de tecnologia entre matemáticos académicos e a indústria são os ESGI (European Study Groups with Industry), que se realizam por toda a Europa desde 1968, e desde 2007 também em Portugal. Sugerindo metodologias da área em que são especialistas, os participantes trabalham em colaboração com outros matemáticos e industriais durante uma semana resolver desafios industriais com que as empresas se deparam todos os dias [1]. Processos aparentemente tão distintos como os que envolvem sapatos, vinho, eletricidade, hotéis e ordens de fabrico estão, afinal relacionados, todos eles podem ser tornados mais eficientes através da utilização de técnicas matemáticas![2]

As redes de Matemática para a indústria têm-se disseminado por toda a Europa, existindo hoje uma Rede Europeia de Matemática para a Indústria e Inovação (EU-MATHS-IN). A Rede Portuguesa de Matemática para a Indústria e Inovação (PT-MATHS-IN) é, desde dezembro de 2015, o núcleo português desta rede.

Assim, o caminho de ligação entre a Indústria e a Matemática tem vindo a ser feito, e hoje já são várias as colaborações existentes, algumas estabeleceram-se nos ESGI, outras resultaram de projetos de mestrado e doutoramento em empresas, e as que existem pela simples razão do gosto pela aplicação de conhecimento adquirido, tanto de académicos como de industriais. 

Claro que nem todos os matemáticos trabalham ou querem trabalhar, nesta área. Muitos continuam a trabalhar em axiomas e teoremas, e gostam! E esses são muito importantes. É preciso criar conhecimento para depois o poder aplicar.

No relatório da SIAM (Society for Industrial and Applied Mathematics) de 2012, sobre Matemática Industrial, os autores concluem no relatório, que as ciências matemáticas e computacionais continuam a encontrar muitas aplicações, tanto tradicionais como inovadoras, para responder aos problemas da indústria. Referem ainda que algumas dessas aplicações têm efeitos muito representativos sobre os lucros das empresas, com valores de dezenas de milhões de dólares. Outras não são facilmente mensuráveis, mas têm permitido que as empresas conduzam os negócios, baseando-se em dados passados. Há ainda aplicações que constituem valor como contribuições para a Ciência, uma vez que permitem desenvolver modelos próprios para aquela situação, seja para aquela empresa ou outra que tenha um problema semelhante. Uma tecnologia projetada para ou por uma empresa geralmente acaba enriquecendo a Ciência como um todo.

Assim, a pergunta “para que serve a Matemática?” deveria ser substituída pela pergunta “para que não serve a Matemática?”, já que parece que nas mais diversas áreas ela se tem mostrado bastante eficaz. Matemáticos há muitos e empresas também! Resta é fortalecer a ligação entre eles, já que as colaborações existentes têm mostrado a sua mais-valia nas mais diversas formas.



[1]
 Costa e Silva, Eliana; Lopes, Isabel Cristina e Correia, Aldina – ESGI119 - The 119th European Study Group with Industry. CIM Bulletin, p. ISSN 2183-8062. (2017). http://www.cim.pt/docs/101/pdf
[2] Costa e Silva, Eliana; Lopes, Isabel Cristina e Correia, Aldina – Dez anos de Encontros entre a Matemática e a Indústria em Portugal. Gazeta de Matemática, Publicação Quadrimestral da Sociedade Portuguesa de Matemática, nº180, pp. 10-20, novembro 2016, Lisboa. http://gazeta.spm.pt/fichaartigo?id=1376

Autor

Aldina Correia

Partilhar